5 on 5: Inverno

8 jun

IMG_6476 edited

O frio finalmente chegou. Ah, que saudade que estava! Trouxe consigo não somente novos ares, como também novos contextos, pensamentos, desejos e anseios. Ele novamente veio ajustar o contraste de suas cores frias através do calor que desperta no interior do meu peito. Trouxe experiências, vivências e amizades que eu não esperava. Surpreendeu-me como aquela lufada de vento suave que levanta docemente seus cabelos, trazendo um sorriso de satisfação junto com o barulho das folhas passeando saltitantes no chão do parque. Me fez descobrir caminhos, criar coragem e enfrentar desafios.

As fotos desse 5 on 5, infelizmente, não preencherão como deveriam a satisfação que sinto nessa estação. Muitos fatores levaram até este momento, claro, mas não deixo de jogar parcela da culpa no simples fato de poder encher a cama de edredons, ou usar meias toda noite e quando puder, ou tomar capuccino simplesmente para aquecer corpo e coração, ou por poder encontrar amigos com a desculpa do vinho, da massa ou da necessidade de conversas profundas que acabam em risos incontroláveis.

♫   Passenger – Let her go  

IMG_6423 edited IMG_6504 edited IMG_6566 edited IMG_6548 edited

O tema do 5 on 5 é inverno, e o objetivo foi mostrar coisas que nos inspiram no inverno. Pois bem, bebidas quentes, cozinhar, ler, brincar e a combinação frio+sol são coisas muito muito felizes para mim. :)

E para as outras meninas, hein? Vamos ver!

Aninhah ♥ Mércia ♥ Mirelle ♥ Grazielle

Com carinho,

A.

Obs: O post não foi postado dia 5 porque estava em uma semana corrida. Época corrida que traz consequências ao blog. Mas tudo tem sua hora e lugar, não vou abandonar um canto tão gostoso como este.

Viagem ao centro da Terra (J. Verne)

18 mai

IMG_6329 edited

Et quacumque viam dederit fortuna sequamur. Que cada um siga o caminho que sua fortuna lhe fornece.

Eu nunca tinha lido Júlio Verne. Por ser um escritor que produziu grande parte da sua obra no final do século XIX, sempre achei que seria arcaico, com firulas demasiadas e um jeito de escrever que não fluiria. Logo, sempre classifiquei-o como um livro para ler “mais pra frente” - o clássico”depois” ou “outra hora”, o que significa quando tiver tempo e paciência para trocar histórias banais e envolventes por palavras densas que compõe tramas complexas de difícil compreensão, ou seja, quando o dia-a-dia possibilitar que pensamentos profundos e solitários habitem sua cabeça com exclusividade.

Toda essa situação propícia é rara de acontecer, como todos devem saber. Mas então o que me fez mudar de ideia e abrir um livro tão bonito quanto este? Bem, primeiro sua aparição repentina na minha casa. Sim, ele apareceu sem aviso prévio. Minha prima emprestou-o de um amigo e quando foi devolver, o amigo jurava que esse livro não era dele (mesmo tendo seu nome assinado, o que acho que nenhum dos dois verificou). Minha prima voltou com o livro pra casa e então me deu. Disse que, já que eu empresto tantos livros, talvez na minha estante ele fosse mais feliz e lido por mais pessoas. Oun. :). Eis então que, uns dias atrás, minha colega de apartamento disse que estava lendo Julio Verne e me convenceu a finalmente tirá-lo da estante para conhecer sua aventura tão emocionante…

E a primeira desconstrução do meu pré-julgamento ocorreu com seu jeito de escrever. Um jeito claro, dinâmico e de fácil compreensão que me espantou. Mesmo lidando com tantos termos técnicos (alguém mais já comparou o Professor Lidenbrock com o Sheldon?), ele constrói os diálogos e os pensamentos do personagem de forma simples, que nos faz aproveitar as informações e assimilá-las para acompanhar o raciocínio. Que, convenhamos, é bem maluco.

O título do livro já diz tudo. Sim, eles farão uma viagem ao centro da terra. Mas o que encontrarão e as aventuras que irão enfrentar eu nunca imaginaria de tal forma. Agora entendo porque dizem que Verne foi o precursor do gênero de ficção científica. Sua lábia francesa, consumida por uma imaginação literária  sensibilizada por temas político-sociais que valorizam a importância da ciência e da tecnologia me mostraram que há muito ainda para eu conhecer na minha própria imaginação. Vejam bem, o limite da imaginação é… espera, será que tem que existir um?

IMG_6333 edited

Minha dica é essa: não julguem um livro pela capa, não julguem um autor pela sua idade e tampouco uma aventura por sua trama. ;)

6

Cinnamon Series

14 mai

Eu vim falar de outra coisa, mas acabei me perdendo na calmaria da manhã ociosamente agradável da internet. E nesse desencontro encontrei (finalmente!) a fonte de várias ilustrações fofas que já dei Pin e Like por aí.

Viviane Kohl é a dona do www.cinnamonseries.com, um site que está no ar desde dezembro de 2012 e que estoca as artes da ilustradora. Apesar de serem poucas, as ilustrações são muito populares e, como disse antes, já as vi várias vezes rodando por aí.

A Série Cinnamon tem como  personagem principal, claro, a ruivinha Cinnamon. Cercada de livros, animais, edredon, chá e coisas fofas ela é um ímã de carinho para nós que nos identificamos com tudo isso junto e misturado.

Acompanhem a Cinnamon!

Twitter ♥ @CinnamonSeries

Facebook ♥ facebook.com/CinnamonSeries

Site ♥ www.cinnamonseries.com

É muita fofura.

A.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 50 outros seguidores