Estação Carandiru (D. Varella)

28 jun

IMG_3464 edited

Finalmente de volta! E deixemos o finalmente também pairar no post de hoje e na afirmação a seguir: Eu sempre achei que deveria ler esse livro. Sei lá como ou por quê, só sei que gosto da temática, me interesso. E quando finalmente achei ele no sebo por R$7,00, foi impossível não levar. Agora, junto com “André du Rap” e “Queda para o alto”, ele inicia uma coleção temática especial na minha biblioteca. ;)

IMG_3468 edited

Estação Carandiru é narrado pelo próprio Drauzio Varella, onde ele nos conta um pouco das histórias que ouviu e presenciou no presídio, enquanto fazia parte do dia-a-dia da penitenciária como médico oriundo de um projeto para tratar a AIDS na cadeia. Mas antes de qualquer coisa, é preciso entendermos o pequeno mundo que era o Carandiru.

A Casa de Detenção era popularmente conhecida como Carandiru por causa do nome homômino ao bairro onde se localizava. Ela chegou ao ápice de abrigar até oito mil presos, sendo considerada na época o maior presídio da América Latina. Não era pouca coisa. Ela foi criada para cumprir o decreto estadual 9.789, o qual previa separação de réus primários de presos reincidentes e separação dos presos pela natureza do delito. Essa dinâmica de separação dos presos permitiu que os detentos se controlassem por si mesmos, vários relatos no livro explicam que os homens e policias que ali trabalhavam só conseguiam manter a ordem porque os próprios presos o faziam e eles apenas coordenavam para que a coisa assim continuasse.

Varella passa primeiro por um processo de adaptação, vemos ele desconstruir preconceitos, quebrar estigmas e ganhar a confiança dos presos. Ser o médico ali era um importante papel: “Com mais de cinte anos de clínica, foi no meio daquelas que a sociedade considera como escória que percebi com mais clareza o impacto da presença do médico no imaginário humano, um dos mistérios da minha profissão” (VARELLA, Drauzio. Estação Carandiru. 1999, p. 75).

IMG_3465 edited IMG_3466 edited IMG_3467 edited

Através das histórias de cada personagem que conhecemos, conseguimos refletir alguns aspectos da nossa vida. Sejam preconceitos,  rumores, medos ou batos que ouvimos… Conseguimos desconstruir alguns paradigmas se tivermos a cabeça aberta para aceitá-los. Por tudo isso, recomendo. ;)

# 2013: 25º

Título: Estação Carandiru
Autor:  Drauzio Varella (site)
Editora:  Companhia das Letras
Páginas: 297

Skoob: nota 5/5

Com carinho,

A.

3 Respostas to “Estação Carandiru (D. Varella)”

  1. Imyra 7 de julho de 2013 às 8:05 pm #

    Oi Ana! Tudo bem?
    Não conhecia seu blog, achei ele lá no skoob! E adorei!
    Muito inspirador! :D Com postagem bem diversificadas (adorei aquelas de 5 fotos sobre um tema) e interessantes! Parabéns pelo blog! E agora estou seguindo-o!
    Beijos

    • anapalombo 8 de julho de 2013 às 10:40 pm #

      Sério que curtiu, Imyra? Que dahora!
      Gosto daqui poque é um canto alheio onde falo e me deixo falar. Que bom que gostou, fiquei feliz. Achei a palavra “inspirador” um pouco forte, então espero que encontre por aqui algo que faça jus à ela. :)
      Agradeço a visita e o comentário, :*

Trackbacks/Pingbacks

  1. Livros lidos em 2013 | Um journal de sorrisos - 11 de janeiro de 2014

    […] está de dieta (J. Davis) 25) Mãos de cavalo (D. Galera) 26) A Parisiense (I. Fressange) 27) Estação Carandiru (D. Varella) 28) O Circo da Noite (E. Morgenstrern) 29) Tempted (P.C. and K. Cast) 30) Burned (P.C. and K. […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: