Temporada de nostalgia

27 jan

[88-365D] Freckels

Preciso de algo que não sei o quê, onde ou como encontrar. Um ânimo, um pôr do sol, uma foto ou um brownie com sorvete e chantily. Uma calçada ao amanhecer, o cheiro dos livros da livraria do centro, areia da praia a noite ou a luz amarelada daquela praça que costumávamos ir nos dias memoráveis de uma juventude que tanto tentamos, mas não conseguimos reproduzir. Aquele tempo cheio de acontecimentos inesquecíveis, uma história que poderia virar filme, repleta de lembranças que trazem consigo aquele sorriso tão típico, que declara aberta a temporada da nostalgia.

Um sorriso doce, meigo, sincero e compartilhado. Um sorriso que pode ser confundido com um beijo, um abraço, um contrato: assinamos, segundo todos os termos de compromisso, e confirmamos que tudo aconteceu, que não foi um sonho e que ainda posso te ver por aí. E quando acontecer, o seu sorriso refletirá o meu, pois eles têm a mesma cor, textura e significado. Eles mostram que somos cúmplices do mesmo crime, uma história do passado que não conseguimos esquecer ou superar. Uma história que se repete em outro plano de existência, na qual olhamos fundo nos olhos um do outro e vemos que só estamos ali por um motivo abstrato, memórias que são nuvens de acontecimentos, coisas que não mais existem. Mesmo sabendo que será em vão, tentamos reanimá-la e por fim nos encontramos soltos em memórias de um ontem cada vez mais distante.

A conversa flui tão fácil que nos sentimos mais próximos, íntimos, “de casa”. Eu conto do meu namoro que vai bem, sabe como é, as briguinhas de sempre. Você me conta dos seus últimos três casos fracassados, como você foi confundir o nome da Bia com Vic? Mas a Larissa era tão meiga; a Denise achei sem graça, melhor ter terminado mesmo. Você acha que não mudei em nada, a mesma cabeça confusa, uma mistura de decisão e sonho. Eu acho que você não mudou nada, o mesmo moleque festeiro que gosta de ser atendido, ouvido e respeitado.

Regredimos e evoluímos no tempo, contamos as gafes das últimas festas, os planos assustadores do futuro e as sapequices do novo filhote que hoje completa 2 anos. Mas quando a conversa acaba, nos pegamos olhando um para o outro com aquele sorriso refletido, enquanto na cabeça passam aquelas memórias, cheiros… nossas aventuras.

Nos encaminhamos para a saída fingindo um interesse desnecessário em nossos pés, na marca do seu cigarro ou no destino daquele conhecido da mesa 6. Sabemos que não vamos nos ver em breve.  Assim que cruzarmos a porta a rotina do mundo nos resgatará. Ambos dizem, ironicamente, “Até mais, e obrigado pelos peixes!”. Uma piada para quebrar o clima da despedida, promessa de visitas que não vão ocorrer, de encontros que não vão ser possíveis pela correria de uma vida já não mais compartilhada… Aqueles velhos alimentos que fazem sobreviver a saudade.

Te vejo entrar no carro, as luzes se acendem junto com meu rádio que canta:  “And he knows it’s time for all the wrong reasons, oh, time to end the pain”. Sorrio concordando, a música certa para a hora certa, finalmente alguma coisa que se encaixa. A temporada da saudade está se fechando, nos vemos ano que vem, ou no outro quem sabe. Quando não conseguir a música certa, perder o ânimo com chocolate e revirar o estômago procurando sensações que não sei descrever, sentir, imaginar ou definir, então vou saber que.

Que preciso de você, de nós, do meu olhar inseguro seguido do seu sorriso que diz “eu também”; de uma luz amarelada em um lugar frio, onde sua mão quente encontra a minha em cima da mesa, um apoio que prevê a queda. Um gesto que confirma que tudo passou, que tudo passará e no final… restará somente eu e você. As mesmas risadas e as mesmas histórias. Seja no passado, presente ou futuro, encontraremos um ao outro e sorriremos, cúmplices de um mesmo crime. Sujeitos avulsos ligados por verões passados, que vivem uma temporada de memórias que se repete todo ano, acompanhada das sutilezas da estação do sol.

 

A.

Anúncios

Uma resposta to “Temporada de nostalgia”

  1. Naomi 1 de fevereiro de 2013 às 11:18 pm #

    Muito bom esse texto.. Você mesma que o fez?? Está muito interessante e divertido… Parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: