Cartier-Bresson

28 dez
© Collection HCB/FRM/Magnum Photos

Henri CARTIER-BRESSON. France. Paris. 1967.

E aí, pessoas? Hoje vamos mais uma vez atualizar a categoria Fotografia. Quando fiz esse post sobre Tipos de fotografia eu comentei que ia tentar falar mais de cada tipo, mas não vou. Mudei de idéia! Vou apresentar à vocês (e à mim também) fotógrafos clássicos que inspiraram e fomentaram muita arte no ramo fotográfico. Achei que dessa forma poderia canalizar pequenos estudos que sempre quis fazer e compartilhá-los com vocês, porque sei que o tema é interessante para muitos. Vamos lá?

Henri Cartier-Bresson foi um fotógrafo francês que nasceu em  22 de agosto de 1908, em Paris. Foi descendente de uma família proeminente da indústria têxtil. A família o queria nos negócios familiares, mas Bresson nasceu artista. Frequentou a Ecole Fénélon e o Lycée Condorcet em Paris. Estudou na École Fénelon e Pintura na Academia Lhote, do Pintor e Escultor Cubista André Lothe. proximou-se da Vanguarda Surrealista nos anos 20 indo estudar em Cambridge em 1928.

Em 1939, viajou para a África, onde permaneceu por um ano. Ganhou a vida de diversas formas…como vaporeiro, vendendo bugigangas e carne salgada que ele mesmo caçava e preparava. Lá também adquiriu malária e sua primeira câmera fotográfica de segunda mão feita por Krauss. Mas todos os filmes que fotografou lá, foram deteriorados pela umidade. Após a temporada na África, regressou à França e conheceu a obra do Fotógrafo Martin Munkacsi que o inspirou a trocar a Pintura pela Fotografia. Começou como fotógrafo em 1931, trabalhando quase sempre com preto e branco. Henri Cartier-Bresson morreu no dia 2 de agosto de 2004, em Montjustin, Provença – França.

Conheci um pouco da obra de Bresson através dos estudos para a monografia. Desde então, esta na minha lista para aprofundar o estudo. Muitas das suas fotografias foram publicadas em livros, os quais você pode ver no próprio site da Magnum, agência fotográfica que ele fundou em 1947 junto com outros fotógrafos, dentre os quais Robert Capa.

Dei uma olhada nos livros e separei umas 30 fotos que mais gostei. Como não conseguiria colocar todas, separei 10 que mais me chamaram atenção. E, para complementar e para poderem entender o modo de pensar dele e os meios que o moviam, vou colocar algumas citações de Henri (virei íntima, já?).

© Henri Cartier-Bresson/Magnum Photos

ITALY. 1933. “Transport amoureux: on nage comme on peut.” 

“Fotografar é colocar na mesma linha de mira, a cabeça, o olho e o coração. É um estilo de vida.”

© Henri Cartier-Bresson/Magnum Photos

FRANCE. Paris. Along the Seine. 1936.

“Actually, I’m not all that interested in the subject of photography. Once the picture is in the box, I’m not all that interested in what happens next. Hunters, after all, aren’t cooks.”

© Henri Cartier-Bresson/Magnum Photos

FRANCE. Nicole CARTIER-BRESSON, Henri’s sister. 1944.

“A fotografia é uma lição de amor e ódio ao mesmo tempo. É uma metralhadora, mas também é o divã do analista. Uma interrogação e uma afirmação, um sim e um não ao mesmo tempo. Mas é sobretudo um beijo muito cálido.”

© Henri Cartier-Bresson/Magnum Photos

FRANCE. Paris. Place de l’Europe. Gare Saint Lazare. 1932.

“Para mim, a fotografia é um reconhecimento simultâneo, numa fração de segundo, do significado do acontecimento, bem como da precisa organização das formas que dá ao acontecimento sua exata expressão”

© Henri Cartier-Bresson/Magnum Photos

SPAIN. Andalucia. Grenada. Gypsies. 1933.

“O papel do fotógrafo é documentar e para isso o necessário é uma câmera eficiente e intuição.”

© Henri Cartier-Bresson/Magnum Photos

ITALY. Abruzzo. Aquila. 1951.

“In photography, the smallest thing can be a great subject. The little, human detail can become a Leitmotiv.”

© Henri Cartier-Bresson/Magnum Photos

ITALY. Sicily. Palermo. 1971

“Os fotógrafos não fazem mais do que mostrar as agulhas do relógio, mas eles escolhem os seus instantes.”

© Henri Cartier-Bresson/Magnum Photos

ROMANIA. In a train. 1975.

“De todos os meios de expressão, a fotografia é o único que fixa para sempre o instante preciso e transitório. Nós, fotógrafos, lidamos com coisas que estão continuamente desaparecendo e, uma vez desaparecidas, não há mecanismo no mundo capaz de fazê-Ias voltar outra vez. Não podemos revelar ou copiar uma memória.”

© Henri Cartier-Bresson/Magnum Photos

WEST GERMANY. 1962. West Berlin. The Berlin wall.

“The creative act lasts but a brief moment, a lightning instant of give-and-take, just long enough for you to level the camera and to trap the fleeting prey in your little box.”

© Henri Cartier-Bresson/Magnum Photos

WEST GERMANY. 1962. West Berlin. The Berlin wall.

Espero que tenham gostado e que se inspirem para novas criações. Que delícia fazer esse post! Já estou ansiosa para o próximo assim. :)

Com carinho

A.

Fontes de pesquisa:

Histórico: www.cursodehistoriadaarte.com.br e www.rodolfoclix.wordpress.com

Citações: www.brainyquote.com e www.rodolfoclix.wordpress.com

Fotos: Magnum

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: